quarta-feira, 25 de março de 2015

Eu, voz do Povo

Eu, voz do Povo

Ouvem-se os tambores
E a marcha dos soldados,
Ouve-se o desespero
Dos menos afortunados.

“Este é o som das ruas,
Mas não do coração.”
Esta é a verdade crua
De que depende a nação!

Juntos iremos à praça!
Homens e mulheres,
Vamos em massa
E arrasai
o que puderdes!

Vesti as vossas saias verdes
E atiçai o fogo da nação!
Que nos há de guiar
Ao fim da opressão!

Pois nesta noite escura,
Que dura e perdura,
Eu, voz do povo, vou gritar:
Felizmente há luar!

Luís Filipe Vieira Alves,  Nº 20,  12º A
2014/2015

Sem comentários:

Enviar um comentário